A insustentável leveza das folhas

Texto de vanderlei postado em 03/09/2009

 

                                               

A vassoura metálica riscava contemporizada. Uma, duas, cem, mil vezes o braço mecanicamente tornava. Em desordem, folhas esvoaçadas eram ventiladas por entre os dedos de lata, em giros e piruetas, rumo ao amontoado um pouco à frente.

Era a vez do vento. O vento contragolpeava, também as fazia girar de volta, pirracento, repatriava-as aos antigos lugares, desarrumando-as em nova desordem.

O homem retrucava: buscava-as de novo, re-riscava o chão, cercava-as novamente, dava-lhes nova vassourada; elas giravam, piruetavam e seguiam ao amontoado, a contragosto. Algumas folhas desertavam, perdidas na terra de ninguém.

Com essas mínimas vitórias do vento, logo restou sobranceiro o homem. O chão ficou todo limpo, riscado apenas com as unhas metálicas da vassoura e pisado mansamente pelo sol. 

O vento prostrou-se. Entre bocejos do meio-dia, adormeceu, ignorando o homem.

O homem olhou seu trabalho e descansou com o chapéu na mão.

Pouco depois, irascível, o vento acordou e, inconformado, esquivando-se da logística daquela luta ao rés do chão, galgou até a copa dos eucaliptos, sacudiu forte e despejou fartamente outras folhas ocres.

O varredor olhou-as a cacarejarem, dionisíacas, infestando o chão do outono.

O homem olhou seu trabalho e viu que era inútil. Deu as costas, foi almoçar.

 

 

Comentários (0)>>Clique aqui para comentar
Seja o primeiro a comentar.
Bornal das Letras - Portal do escritor J. Alves

© Copyright - www.bornaldasletras.com.br - Todos os direitos reservados.