Santo do dia

6 de Abril - S. Marcelino

S. Marcelino
séc. V- mártir - “Marcelino” quer dizer “pequeno martelo”.

Marcelino foi um alto funcionário romano, casado, tinha filhos e era amigo de S. Agostinho. Seu martírio relaciona-se com o cisma causado pelo bispo Donato, que afirmava que a eficácia e a validade dos sacramentos dependiam da dignidade do ministro. Com isso, Donato considerava ilegítima e inválida a sagração episcopal de Ceciliano para bispo de Cartago, feita por bispos traidores. Pois, durante a perseguição de Diocleciano, estes bispos haviam entregues os livros sagrados para serem queimados. Aliado a esta questão religiosa e a pretexto desta, havia também interesses políticos e sociais envolvidos. Marcelino foi enviado a Cartago para mediar a paz e evitar a guerra civil. Numa assembléia, que reuniu cerca de 286 bispos católicos e 279 donatistas (seguidores de Donato), Marcelino sentenciou favoravelmente aos católicos. Descontentes, os donatistas tramaram a sua morte, acusando-o de traição e de cumplicidade na insurreição de Heracliano contra o poder romano. Foi condenado à morte e executado em 413.

TESTEMUNHAS DE NOSSO TEMPO

Mario Schaerer * Professor paraguaio, morto em 1976. Hugo Echegaray * Sacerdote, teólogo da libertação, dedicado inteiramente aos pobres, morto em 1979, no Peru.

PRECE

DA VERDADEIRA FÉ

Deus, nosso Pai, que hoje possamos ser vigilantes quanto ao nosso modo de agir e de ser.

Que a bondade e a ternura inspire nossos atos. Não nos falte hoje a alegria e a generosidade no relacionamento com o nosso próximo.

Se por ventura falharmos na busca do bem, perdoai as nossas mesquinhezas e abri-nos à correção. Perdoai-nos, sobretudo, quando pusermos nossos pequenos interesses acima do vosso imenso plano de amor.

Adverti-nos quando, esquecidos das nossas, reclamarmos contra as injustiças e as violências dos outros.

Quantas vezes, em nome da religião, da paz, da liberdade, da justiça e da ordem, o Inocente é condenado e eliminado, e achamos perfeitamente normal que tais coisas aconteçam.

Em espírito e em verdade, de coração sincero e mente aberta, vos amemos com retidão de consciência.

Amemo-vos hoje na pessoa daqueles com quem convivemos, ó Deus vivo e verdadeiro, Pai e Senhor de todos, pois nisso consiste a verdadeira religião.



Bornal das Letras - Portal do escritor J. Alves

© Copyright - www.bornaldasletras.com.br - Todos os direitos reservados.