Santo do dia

17 de Agosto - S. Roque - S. Clara de Montefalco

S. Roque
1350-1379 – eremita .“Roque”, “homem grande e forte”.
Natural de Montpellier, França, Roque teria nascido com uma cruz rubra estampada no peito. Foi lhe dado o dom de curar enfermos, traçando-lhes nas testas o sinal de uma cruz. Durante as epidemias, curou a muitos; e doente ele também, retirou-se numa choupana onde recebeu ajuda de um anjo e de um de cão que lhe trazia alimento. Mais tarde retornou à cidade natal passando a viver ali como indigente, mas foi preso, condenado à morte e executado, sob a acusação de ser espião disfarçado em mendigo. Foi quando descobriram pela cruz gravada no peito que se tratava de Roque. É invocado com a seguinte oração:

S. Roque, vos dedicastes de corpo e alma ao cuidado dos doentes, e Deus, para provar vossa fé e confiança permitiu que contraísseis a doença. Mas esse mesmo Deus, por meio de um cão, vos alimentou de modo milagroso e também milagrosamente vos curou. Protegei-me contra as doenças infecciosas, livrai-me do contágio dos bacilos, defendei-me da poluição do ar, da água e dos alimentos. Enquanto eu estiver saudável, vos prometo rezar pelos doentes e fazer o possível para aliviar suas dores e sofrimentos... S. Roque, abençoai os médicos, fortalecei os enfermeiros e atendentes dos hospitais, curai os doentes, defendei os que têm saúde contra o contágio e a poluição..

S. Clara de Montefalco
c. 1275-1308 - agostiniana - “Clara” significa “brilhante”, “luminosa”.

De família profundamente religiosa, Clara ingressou muito jovem no convento das religiosas agostinianas, dirigido por sua irmã. Levou vida recolhida, silenciosa e de intensa piedade. Era severa e intransigente consigo mesmo, e condescendente, amável e atenciosa com os outros. Com a morte da irmã, foi feita superiora.

 

 

 

PRECE

DO LOUVOR A DEUS
Rampa de acesso ao Santuário de N. S. Aparecida - Aparecida do Norte (SP) Brasil.Deus, nosso Pai, cremos na vossa misericórdia e perdão, que nos reabilitam nos momentos difíceis (cf. Is 64,7s). A cada instante, nosso espírito reclama luz e nosso coração pede reconciliação. Sustentai-nos quando fraquejamos e reerguei-nos quando caímos, pois sois nosso Redentor (cf. Is 63,16s). Diminuídos, exaltai-nos como filhos. Perante o mal, inquietai-nos e inconformai-nos. Na falta de sentido para viver, esperançai-nos. Na hora da cegueira, abri nossa mente e coração. No tempo adverso do ódio e da vingança, pacificai-nos. Nos desaventos, resgatai o sentido do sofrimento. No segredo de nosso espírito, atraí-nos para vós. Em nosso deserto espiritual, fazei brotar a sede de felicidade eterna e a contínua busca de infinito. Na solidão de nós mesmos, conduzi-nos à comunhão convosco. Em vosso Espírito, consolai-nos e sarai-nos por dentro. Na paixão, morte e ressurreição de vosso Filho Jesus, libertai-nos de toda malícia e de todo mal.



Bornal das Letras - Portal do escritor J. Alves

© Copyright - www.bornaldasletras.com.br - Todos os direitos reservados.