Santo do dia

11 de Dezembro - S. Daniel Estilita

S. Daniel Estilita
409 - 493 - eremita. “Daniel” quer dizer “Deus é o meu juiz”, “é Deus quem decide, quem determina”.

Daniel Estilita nasceu em 409, em Matra, Turquia, e morreu perto de Constantinopla, em 493. Aos 12 anos, ingressou no convento e ali permaneceu até aos 38 anos. Acompanhando o abade a uma viagem à Antioquia, Daniel passou por Tellnesin, onde vivia S. Simeão Estilita. Convidado a subir à coluna, foi abençoado. Seguindo viagem, S. Daniel visitou a Terra Santa, passando por diversos conventos, acabando por fixar-se, em 451, como o fizera S. Simeão Estilita, no topo de uma coluna de um antigo templo pagão em ruínas. Ali passou 33 anos, anunciando a quem o visitava o amor de Deus, exortando a amar o semelhante a exemplo de Cristo que nos amou primeiro e, nos momentos de dificuldades, reis e príncipes íam até ele pedir conselhos.

TESTEMUNHAS DE NOSSOS TEMPOS

Gaspar Garcia Laviana. Sacerdote, mártir das lutas de libertação do povo nicaragüense, 1978.

PRECE

DO DEUS QUE NOS CONHECE

Deus, nosso Pai,

vós nos conheceis como realmente somos.

Vós nos vede através de nosso interior

e para além de nossas mentiras, erros, pecados e limitações.

Conheceis nossa verdadeira face,

o caminho de nossas mágoas, de nossas adversidades, 

o trânsito de nossas dores e sofrimentos.

Conheceis também o segredo de nossa alegria,

de nossas forças, de nossa fé e confiança em vós.

Conheceis nossos alegres sonhos, 

os momentos em que nos sentimos gente, humanos,

recompensados por servir

desinteressadamente nossos semelhantes.

Que vos procuremos nas circunstâncias de nosso tempo,

pois todo tempo é tempo do vosso amor.

Segundo vosso Espírito nos inspire,

ajudai-nos a abrir os nossos corações à vossa graça

e responder hoje aos vossos apelos de serviço ao próximo,

de perdão, de ternura e de compaixão para com todos.

Enchei nossos dias com a plenitude do vosso amor

que nos consola e nos faz recobrar a força para melhor servir,

para melhor acolher, para melhor superar nossos limites,

para melhor agradecer.

Que e sempre possamos elevar a nossa voz com o Salmista:

“Quando contemplo o firmamento ,

obra de vossos dedos,

a lua e as estrelas que lá fixastes:

“Que é o homem, digo-me então,

para pensardes nele?

Entretanto, vós o fizestes quase igual aos anjos,

de glória e honra o coroastes...”

(Salmo 8,4ss).



Bornal das Letras - Portal do escritor J. Alves

© Copyright - www.bornaldasletras.com.br - Todos os direitos reservados.