Santo do dia

13 de Dezembro - S. Luzia

séc. III e IV - mártir. “Luzia” vem de “Lúcia” e quer dizer “aquela que é luzente como a aurora, iluminada”. É invocada contra a cegueira do corpo e da alma.

Luzia ou Lúcia sofreu o martírio em Siracusa, provavelmente durante a perseguição de Diocleciano (sécs. III-IV). Foi uma das santas mais veneradas na Igreja dos primeiros séculos, como indica uma inscrição encontrada nas escavações da catacumba de S. Giovanni: “Eusquia, a irrepreensível, viveu santa e pura cerca de quinze anos; morreu na festa de minha S. Luzia, a qual não pode ser louvada como merece” (Palacin, L., op. cit. p. 193). Segundo as Atas, Luzia pertencia a uma família nobre e rica de Siracusa. Prometida em matrimônio, ela adiou o casamento, pois havia feito voto de consagrar a Deus toda a sua vida. Caindo gravemente enferma a mãe, Luzia levou-a à tumba da S. Águeda. Em virtude da cura obtida, a mãe consentiu que ela se dedicasse à vida religiosa e distribuísse os bens aos pobres. Revoltado com a atitude de sua pretendida, o noivo denunciou-a ao procônsul Pascásio. Ela confessou destemidamente a sua fé. Decidiram, então, expô-la à humilhação pública, mas seu corpo ficou tão pesado que dezenas de homens não puderam arrastá-lo. As chamas também nada puderam contra ela. Por fim, foi decapitada.

Ó Virgem admirável, cheia de firmeza e de constância, que nem as pompas humanas puderam seduzir, nem as promessas, nem as ameaças, nem a força bruta puderam abalar, porque soubeste ser o templo vivo do Divino Espírito Santo. O mundo cristão vos proclamou advogada da luz dos nossos olhos, defendei-nos, pois, de toda moléstia que possa prejudicar a nossa vista. Alcançai-nos a luz sobrenatural da fé, esperança e caridade para que nos desapeguemos das coisas materiais e terrestres e tenhamos a força para vencer o inimigo e assim possamos contemplar-vos na glória celeste. Amém.


PRECE

DA CURA DE NOSSAS CEGUEIRAS

Deus, nosso Pai, quisestes que S. Luzia

fosse a protetora de todos os sofrem

de algum problema de visão.

A seu exemplo, tornai-nos luminosos pela fé,

e resplandecentes pela esperança.

Libertai os nossos corações da tristeza,

da angústia ou qualquer aflição

que possam obscurecer nossa vida,

fazendo-nos tropeçar a cada passo,

longe de vós, Luz de toda luz, Sol eterno,

Guia certo de nossos destinos incertos...

Curai também, Senhor, a nossa cegueira

quando não quisermos ver as injustiças

e reconhecer os erros que praticamos.

Curai-nos, pois, embora tendo vista,

tantas vezes não enxergamos o bem do próximo,

o bem de todos, mas apenas nossos interesses,

as vantagens próprias, nosso bem menor.



Bornal das Letras - Portal do escritor J. Alves

© Copyright - www.bornaldasletras.com.br - Todos os direitos reservados.